WeCreativez WhatsApp Support
Seja Bem-vindo(a) ao Hospital Urológico de Brasília.
Agende sua consulta ou exame conosco ou tire suas dúvidas quanto ao nosso atendimento:

O Câncer de Rim e sua taxa de sobrevivência

câncer de rim

Apesar do câncer de próstata ser o que mais afeta os homens, não podemos deixar de falar do câncer de rim e as preocupações com a sua identificação precoce.

Se você preferir, ouça este artigo no YouTube, é só dar “Play” no vídeo abaixo. Não esqueça de se inscrever e ativar o “sino” das notificações para se manter informado(a).

Segundo a publicação feita pela a American Cancer Society, em 05/05/2020, que livremente traduzimos para você, existem vários subtipos de câncer de rim:

  • Carcinoma de células renais  claras. É o tipo mais comum, presente em cerca de 70% dos pacientes com carcinoma de células renais (CCR). Quando vistas sob um microscópio, as células têm uma aparência pálida ou clara.
  • Carcinoma papilar de células renais. É o segundo subtipo mais comum, presente em cerca de 10% dos casos. Esses cânceres formam pequenas projeções similares às de um dedo, chamadas papilas. Alguns médicos chamam esse tipo de câncer de cromatóforo, porque suas células captam certos corantes cor de rosa.
  • Carcinoma cromófobo de células renais. Esse subtipo é responsável por cerca de 5% dos casos de CCR. As células desse tipo de câncer também são pálidas, claras, mas são muito maiores e com outras características que podem ser reconhecidas.

Tipos raros de carcinoma de células renais. Esses subtipos são muito raros, cada um constituindo menos do que 1% dos casos de câncer de células renais:

  • CCR do ducto coletor.
  • CCR cístico multilocular.
  • Carcinoma medular.
  • Carcinoma tubular mucinoso e de células fusiformes.
  • CCR associado ao neuroblastoma.

Carcinoma de células renais não classificados. Raramente, os cânceres de células renais são denominados como não classificados, porque não se encaixam em nenhuma classificação ou porque há mais de um tipo de célula presente.

Outros tipos de cânceres renais

  • Carcinoma de células transicionais. De cada 100 casos de câncer de rim, em torno de 50% são carcinomas de células de transição, também conhecidos como carcinomas uroteliais. Os carcinomas de células de transição se iniciam no revestimento da pelve renal. Esse revestimento é constituído por células de transição que se parecem com as células que revestem os ureteres e a bexiga. Os cânceres que se desenvolvem a partir destas células se parecem com outros carcinomas uroteliais, como o de bexiga. Como no câncer de bexiga, estes cânceres estão muitas vezes associados ao tabagismo e a exposição ocupacional a determinados produtos químicos cancerígenos. Os pacientes com carcinoma de células transicionais podem ter os mesmos sinais e sintomas dos pacientes com câncer de células renais, como sangue na urina e, às vezes, dor nas costas.
  • Tumor de Wilms. Os nefroblastomas, comumente chamados de tumores de Wilms, quase sempre ocorrem em crianças. Este tipo de câncer é muito raro em adultos.
  • Sarcoma renal. Os sarcomas renais são um tipo raro de câncer de rim, representam menos do que 1% de todos os casos de tumores renais, e se originam nos vasos sanguíneos ou no tecido conjuntivo renal.

Taxa de Sobrevida para Câncer de Rim

As taxas de sobrevida são utilizadas pelos médicos como uma forma padrão para discutir o prognóstico de um paciente.

A taxa de sobrevida em 5 anos se refere à porcentagem de pacientes que vivem pelo menos 5 anos após o diagnóstico da doença. A taxa de sobrevida não prevê quanto tempo cada pessoa viverá, mas permite entender a probabilidade de sucesso do tratamento.

As taxas de sobrevida são baseadas em resultados anteriores de um grande número de pessoas que tiveram a doença, mas não se pode prever o que vai acontecer no caso específico de um paciente. Essas estatísticas podem ser confusas e podem gerar dúvidas, portanto converse com seu médico, só ele tem amplo conhecimento de seu caso e poderá dizer como esses dados se aplicam ao seu caso em particular.

A taxa de sobrevida relativa compara as pessoas com um determinado tipo e estágio de câncer na população geral. Por exemplo, uma taxa de sobrevida de 80% em 5 anos significa que cerca de 80 em cada 100 pacientes com esse tipo de câncer ainda estarão vivas 5 anos após serem diagnosticados. Mas, saiba que muitos desses pacientes vivem mais do que 5 anos após o diagnóstico.

Os números abaixo são do banco de dados do Instituto Nacional de Câncer Americano (SEER – Surveillance, epidemiology, and end results), que rastreia as taxas de sobrevida em 5 anos para o câncer de rim. No entanto, esse banco de dados não agrupa os cânceres pelo sistema de estadiamento TNM, da AJCC e, sim como:

  • Localizado. Não existe sinal de disseminação da doença.
  • Regional. O tumor se disseminou para estruturas próximas ou linfonodos.
  • À distância. O tumor se disseminou para outros órgãos, como pulmões, cérebro ou ossos.

Os dados abaixo estão baseados em pacientes diagnosticados com câncer de rim entre 2009 e 2015.

Estágio SEER Taxa de Sobrevida relativa em 5 anos
Localizado 93%
Regional 70%
À distância 12%
Todos os estágios SEER combinados 75%

Observações sobre as estatísticas acima:

  • Os pacientes diagnosticados atualmente com câncer de rim podem ter um prognóstico melhor do que mostrado nos dados acima. As recentes melhorias nas técnicas de tratamento podem resultar em um prognóstico mais favorável para os pacientes que estão sendo agora diagnosticados e tratados atualmente.
  • Essas estatísticas estão baseadas no estágio do câncer no momento do diagnóstico.
  • Essas estatísticas não levam em consideração outros fatores, como idade, estado geral de saúde e como a doença responde ao tratamento, que podem afetar o prognóstico do paciente.

Notou algum problema citado neste artigo? Agende uma consulta conosco para a detecção precoce.


Se preferir, agende por Telefone ou Whatsapp. É só clicar no link para ligar ou nos mandar uma mensagem!

Telefone: +55(61)3345-9300
Whatsapp: +55(61)99947-7815


Fonte: Laura C. Ferreira G. Gonzaga (CRN – DF 3106), parceira e responsável pela nutrição dos pacientes internados do Hospital Urológico de Brasília.